Incontinência Urinária

A incontinência urinária aos esforços se caracteriza pela perda involuntária de urina que ocorre durante manobras de esforço, como tossir, espirrar, levantar peso ou, até mesmo, mudança de posição (levantar-se da cama, por exemplo).

Existem fatores de risco para a ocorrência deste tipo de perda urinária. Nas mulheres, eles estão relacionados ao número de gestações, menopausa, obesidade e prolapsos de órgãos pélvicos (“bexiga caída”, “útero caído”).

Segundo os dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), estima-se que uma a cada 25 pessoas pode sofrer de incontinência urinária ao longo da vida. E cerca de 40% das mulheres após a menopausa perdem urina de forma involuntária.

O tratamento inicial da incontinência urinária aos esforços também é conservador e inclui os exercícios de fisioterapia para os músculos do assoalho pélvico, também chamados de exercícios de Kegel. Eles são importantes para reforçar os músculos responsáveis pela continência urinária (o “esfíncter urinário”). Sessões de exercícios devem ser realizadas pelo menos três vezes ao dia.

A perda de no mínimo 5% do peso corporal em pessoas com obesidade ou sobrepeso também é recomendada e pode proporcionar melhora significativa da incontinência urinária.